Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Desabafos á Fernando Pessoa

Neste blog tratarei de falar-vos de poesia, nomeadamente de boa poesia. Espero que gostem...

Desabafos á Fernando Pessoa

Neste blog tratarei de falar-vos de poesia, nomeadamente de boa poesia. Espero que gostem...

Leituras marcantes

10.11.19, S.C.Jesus

Ultrapassei o meu objectivo de ler 50 livros. Normalmente faço mais um top, nomeado os meus livros favoritos. Mas desta vez decidi fazer diferente. Irei analisar as obras que mais me desafiaram e me supreenderram

Gonçalvo.M. Tavares é um dos escritores mais traduzidos em Portugal. Dela jà tinha lido "Os velhos também querem viver", em que està presente o mito de Alceste (a mulher que sacifica-se pelo marido). Mas este livro é de facto uma supresa. Para começar o titulo " A mulher sem cabeça e O Homem do Mau olhado" é de facto um titulo muito original. Parece ser um livro de contos, mas a medida que a narrativa avança entende-se que todas as personagens encontram-se ligadas. Mas afinal quem é a  Mulher sem cabeça? Corresponde a uma figura materna que por ter perdido a cabeça tambèm perde os filhos. O Homem do Mau Olhado é a figura de um homem, que tal como medusa, parece pertificar as pessoas. Podia nomear outras personagens importantes. Mas este é daqueles livros dificies de analisar, mas que nos fazem questionar sobre as nossas atitudes e perconceitos

     O primeiro livro que leio de um escritor norueguês. Aborda a jornada de  Bjorn  que abandona a mulher e o filho para ficar com a amante. Mas a vida com a amante dura apenas alguns anos, pois ele finge-se de humilde mas gosta de dar nas vistas. O protagonista farto daquela vida supervula. Muda-se e passa a frequentar muita a casa do seu amigo médico, que tal como ele também admira a literatura. 

  Quando têm 50 anos o seu filho vem viver para sua casa, por causa dos seus estudos universitários. Mas como nunca tiveram uma relação de pai e filho são dois estranhos vivendo na mesma casa. Depois desse período, o filho segue o seu caminho. O protagonista começa a se questionar qual é o sentido da sua vida? E decide que quer partir para a aventura.

Esta obra faz-nos reflectir sobre o poder das nossas escolhas, como elas podem mudar o sentido da nossa vida. E tambèm qual é o preposito dessa vida.

  

“ A geração da utopia” é uma das grandes obras de Pepetela. A temática central é a guerra na angola para conseguir a sua independência de Portugal. Contudo não é narrado apenas a guerra como questões de poder entre os próprios angolanos, questões de raça como o facto de alguns serem mestiços e outros negros e também os relacionamentos casuais.

Os nomes em Pepetela têm sempre um significado. Todos tem nomes específicos excetuado as personagens portuguesas e o casal Sara e Aníbal. São essas duas personagens que desejam para Angola um mundo de esperança, um mundo de liberdade absoluta. É através delas que entendemos o título da obra, Aníbal e Sara pertencem a uma geração que foi idealizada nunca pode ser construída.

Pepetela é outro dos grandes escritores que descobri, e que vou começar a ler as suas outras magnificas obras

Os clássicos sempre são leituras desafiantes. Podia analisar “As grandes esperanças” de Charles Dickens que foi uma das leituras deste importante escritor inglês que mais me marcou. Mas decidi escolher o “Notre Dame de Paris” de Victor Hugo por ter sido de facto uma das minhas leituras preferias e o destino das personagens me ter surpreendido. Não esperava por exemplo que Esmeralda, a cigana, tivesse um destino trágico e que o Corcunda se casasse. Victor Hugo tal nas outras obras que li aborda sempre o ponto de vista dos desafortunados e dos que possuem todo. Neste livro não é diferente. A personagem Esmeralda é especial por ajudar esses pobres. A representação da comunidade cigana foi o que de facto me agradou. Assim como o momento de reencontro de Esmeralda com a mãe antes do seu condenamento.

Uma obra viciante. Uns dos thrillers mais supreendentes que li. Bem eu normalmente nem leio thrillers, perfiro os policiais... Mas este prendeu-me desta a primeira e última pagina. Alice é acusada de ter matado o marido com cinco facadas. Despois do assassino perde a fala e é internada num hospital foroense. Theo, o psquioterapeuta, decide provar a inocência de Alice pois ao contràrio dos outros médicos ele acha ser ela apenas uma vitima.

A medida em que a narrativa vai avançado temos mais a certeza de Alice não ter matado o marido, por causa do seu diário. Além da narrativa em que é no apresentado Theo, as suas investigações e próprios traumas também temos o diário de Alice que mostra o que de facto aconteceu na noite do crime.

Todos viram suspeitos. Até o mais inocente pode ser culpado.

O livro não é previsível, todo está bem construído para que o leitor consiga tirar as suas próprias conclusões. Mas por mais pistas que o escritor possa dar como o quadro de Alceste ou as traições de Kathy. O leitor menos experiente nestes textos apenas no fim consegue descobrir a verdade.  

Como estamos chegando a quadra natalicia, o proximo post serà sobre livros de Natal. Mais um desafio que estou a participar com o grupo "Manta de Historias". 

Até là, 

Um bom fim de semana e umas boas leituras!