Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Desabafos á Fernando Pessoa

Neste blog pretendo demonstrar alguns dos livros mais entusiasmantes que leio, assim como séries e filmes.

Desabafos á Fernando Pessoa

Neste blog pretendo demonstrar alguns dos livros mais entusiasmantes que leio, assim como séries e filmes.

A serpente de Essex livro vs série

25.06.22, S.C.Jesus

      

 

"A serpente de Essex" é um  livro que  conquista-nos aos poucos. Primeiro pela sua maravilhosa capa que se encontra em sintonia com o enredo do romance, a serpente, e todo o seu ambiente campestre. Também pode relacionar-se pelo facto da protagonista ser caracterizada como naturalista.

Em seguida o ambiente vitorino, a encantadora aldeia de Essex e a cinzenta cidade de Londres me prenderam com descrições muitíssimo bem desenvolvidas. As personagens são variadas e complexas. As personagens secundárias como Luke, Martha, Spencer, Stella e as crianças são fulcrais no desenvolvimento da narração.

A dinâmica dos protagonistas intrigra e supreende. Desde o início aprecebe-se da atração de Cora e William, mas o seu amor em é retratado mais nas cartas do que no plano físico. Não chega de facto a ser consumado.

A temática da amizade está muito presente. Cora e Martha que se conhecem desde o casamento da protagonista com o falecido Michael, as duas possuem um elo muito grande e protegem Francis. Luke e Spencer, colegas e grandes amigos, entre eles existe uma grande compreensão e é por causa dele que Luke decide contniuar a sua caminhada depois da sua grande solidão. Francis e Stella, a amizade mais supreendente, entendem as estranhezas do mundo e gostam de colecionar objectos específicos. Francis parece vê -la como figura materna, e preferir a sua companhia do que a própria mãe.

A relação entre Cora e Francis é um dos relacionamentos mais complexos do livro. A solidão e o gosto por coleccionar afastam a mãe e o filho. Apenas no final na narração, devido ao trama que Francis sofre, há uma aproximação entre mãe e filho.

Quanto a serpente penso representar o medo pelo desconhecido, da mesma forma que os navegadores criaram o Adamastor, também os habitantes daquela aldeia criam aqueka criatura para justificarem os desaparecimentos e mortes.

O fascínio de Cora pelo mundo fóssil,o pensamento médico moderno de Luke e a luta socialista de Martha são outros temas que tornam este livro único.

 

A sua adaptação difere um pouco do livro, principlamente no que diz respeito ao relecionamento dos protagonistas. Enquanto no livro eles parecem apenas ter uma atração que nunca é consomada, na série Will acaba mesmo por cair na "tentação" o que irá levar o afastamento de Cora para não magoar á Stella. E o final feliz entre ambos também foge um pouco da carga sombria do livro. 

O que de facto me agradou nesta série foi o facto de terem explorado bem as personagens secundárias (Martha, Spencer e Luke) e as suas lutas sociais. Martha já havia sido no livro uma das minhas personagens preferidas, devido a sua indepentencia e vontade de ajudar os mais desfavorecidos, e fiquei muito satisfeito por na adaptação manterem a sua força e a sua grande amizade com Cora. 

Também surgem outras personagens, como a Noemi, que ajudam a transportar-nos para o ambiente opressivo daquela aldeia assustada com ideia de uma "serpente" destruir as suas familias. Teria gostado de terem desenvolvido melhor a personagem do filho de Cora, no livro Francis tem muito mais destaque e a sua personagem tem grande importancia na ação. 

A construção histórica está bem feita, explorando os avanços da medicina e a descoberta dos fosseis. Aborda importantes tópicos como a suprestição religiosa (nos aldeões que acusam Cora de ser um "bruxa") , a violencia doméstica ( em vislumbres da relação de Cora com o seu falecido marido) , a aceitação entre religião e ciencia ( Will é um vigário e Cora estuda fosseis) 

No geral, apesar das suas falhas, foi uma série que gostei de assistir e recomendo. Contudo leiam antes o livro para poder desfrutar melhor do seu enredo.