Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos á Fernando Pessoa

Neste blog pretendo demonstrar alguns dos livros mais entusiasmantes que leio, assim como séries e filmes.

Desabafos á Fernando Pessoa

Neste blog pretendo demonstrar alguns dos livros mais entusiasmantes que leio, assim como séries e filmes.

A serpente de Essex livro vs série

25.06.22, S.C.Jesus

      

 

"A serpente de Essex" é um  livro que  conquista-nos aos poucos. Primeiro pela sua maravilhosa capa que se encontra em sintonia com o enredo do romance, a serpente, e todo o seu ambiente campestre. Também pode relacionar-se pelo facto da protagonista ser caracterizada como naturalista.

Em seguida o ambiente vitorino, a encantadora aldeia de Essex e a cinzenta cidade de Londres me prenderam com descrições muitíssimo bem desenvolvidas. As personagens são variadas e complexas. As personagens secundárias como Luke, Martha, Spencer, Stella e as crianças são fulcrais no desenvolvimento da narração.

A dinâmica dos protagonistas intrigra e supreende. Desde o início aprecebe-se da atração de Cora e William, mas o seu amor em é retratado mais nas cartas do que no plano físico. Não chega de facto a ser consumado.

A temática da amizade está muito presente. Cora e Martha que se conhecem desde o casamento da protagonista com o falecido Michael, as duas possuem um elo muito grande e protegem Francis. Luke e Spencer, colegas e grandes amigos, entre eles existe uma grande compreensão e é por causa dele que Luke decide contniuar a sua caminhada depois da sua grande solidão. Francis e Stella, a amizade mais supreendente, entendem as estranhezas do mundo e gostam de colecionar objectos específicos. Francis parece vê -la como figura materna, e preferir a sua companhia do que a própria mãe.

A relação entre Cora e Francis é um dos relacionamentos mais complexos do livro. A solidão e o gosto por coleccionar afastam a mãe e o filho. Apenas no final na narração, devido ao trama que Francis sofre, há uma aproximação entre mãe e filho.

Quanto a serpente penso representar o medo pelo desconhecido, da mesma forma que os navegadores criaram o Adamastor, também os habitantes daquela aldeia criam aqueka criatura para justificarem os desaparecimentos e mortes.

O fascínio de Cora pelo mundo fóssil,o pensamento médico moderno de Luke e a luta socialista de Martha são outros temas que tornam este livro único.

 

A sua adaptação difere um pouco do livro, principlamente no que diz respeito ao relecionamento dos protagonistas. Enquanto no livro eles parecem apenas ter uma atração que nunca é consomada, na série Will acaba mesmo por cair na "tentação" o que irá levar o afastamento de Cora para não magoar á Stella. E o final feliz entre ambos também foge um pouco da carga sombria do livro. 

O que de facto me agradou nesta série foi o facto de terem explorado bem as personagens secundárias (Martha, Spencer e Luke) e as suas lutas sociais. Martha já havia sido no livro uma das minhas personagens preferidas, devido a sua indepentencia e vontade de ajudar os mais desfavorecidos, e fiquei muito satisfeito por na adaptação manterem a sua força e a sua grande amizade com Cora. 

Também surgem outras personagens, como a Noemi, que ajudam a transportar-nos para o ambiente opressivo daquela aldeia assustada com ideia de uma "serpente" destruir as suas familias. Teria gostado de terem desenvolvido melhor a personagem do filho de Cora, no livro Francis tem muito mais destaque e a sua personagem tem grande importancia na ação. 

A construção histórica está bem feita, explorando os avanços da medicina e a descoberta dos fosseis. Aborda importantes tópicos como a suprestição religiosa (nos aldeões que acusam Cora de ser um "bruxa") , a violencia doméstica ( em vislumbres da relação de Cora com o seu falecido marido) , a aceitação entre religião e ciencia ( Will é um vigário e Cora estuda fosseis) 

No geral, apesar das suas falhas, foi uma série que gostei de assistir e recomendo. Contudo leiam antes o livro para poder desfrutar melhor do seu enredo. 

Elações sobre a feira do livro e alguns das minhas melhores leituras

09.06.22, S.C.Jesus

285626279_3206447012959676_6520593561048999042_n.j

     Esta foi uma semana intensa para além de ter sido a primeira vez que participei numa stand na feira do livro, também foi a semana que conclui a minha meta dos 100 livros.

A Feira do Livro do Funchal este ano decorre nos dias 3 a 12 de junho, por isso quem ainda não foi e não sabe o que quer fazer no feriado aproveite e venha visitar a feira. O tema deste ano é Camões e a juventude. A minha stand foi a de ADEGI - Universidade Aberta que possui essencialmente livros relacionados com escritores madeirenses e de teoria literária. 

O mais interessante na feira do livro, para além das stands com preços acessiveis, são os vários concertos, teatro de rua e este ano até tivemos uma biblioteca itenerente. Não há como esquecer o Adamastor, um gigantesco "puppet" manobrado como um robõ. Como este ano tive a vender livros pode apreciar de facto como a feira é organizada, e isso levou-me a que fica-se mais encantada com esse evento. 

   Como já é hábito no meu blog irei fazer o meu top dos meus livros preferidos. Tem sido um ano de leituras bastante diversas, tenho apostado em ler mais livros contemporaneos e mais livros de autores de diferentes nacionalidades. Os géneros mais lidos foram romance histórico e fantasia.

10 - Upstream, Mary Oliver 

Descobri este livro através de um booktuber, e assim que o comecei a ler fiquei submersa nas palavras de Mary Oliver. São pequenos ensaios que dialogam connosco, sentimo-nos mais conectados com a natureza depois de lermos este livro. Gostei tanto da escrita de Mary Oliver que comecei a ler a sua poesia, e até agora tenho gostado muito pois segue a estilo de Walt Whitman.

9- Daughter of the Moon Goddess, Sue Lynn Tan

 

 

     Tenho lido muitos "retelings" inspirados em mitos asiáticos, este foi o meu favorito até o momento. Narra a história de Xingyin na sua jornada para libertar a mãe do seu cativeiro. Nesta aventura fantástica não faltam cenários e criaturas de fazer-nos sonhar. E apesar de ter um triangulo amoroso, não demora a ser resolvido e se foca pouco nesse tópico. O importante neste livro são os laços familiares e os de amizade. Xingyin é uma das heroinas mais fascinantes dos últimos tempos, enfrenta todos e torna-se numa guerreira. 

 

8- All Passion Spent, Vita Sackville West

 

     Apesar de não ter lido tantos clássicos como os outros anos, li alguns que me supreenderam. Um desses casos foi este romance de Vita, o grande amor de Virginia Woolf, que retrata a condição feminina no século XIX. 

Lady Slane decide comprar uma casa depois da morte do seu marido, e viver os seus últimos dias sozinha. Mas os seus filhos não a compreendem, e observam esta decisão como um acto de loucura. Esta mulher ambicionava ser pintora, mas foi obrigada a ser esposa de um aristocrata e assim ficar na sua sombra. A sua morte permite a liberdade almejada, e com isso poder desfrutar de uma vida tranquila com poucos luxos.

7- Quem teme a morte, Nnedi Okorar 

 

 

 

 

  Para além dos livros de fantasia inspirados na cultura asiática também tenho lido outros inspirados na cultura africana. Um dos que chamou-me de facto a atenção foi esta narrativa violenta , que conta a jornada de uma rapariga vitima de preconceito mas a única capaz de salvar o seu povo da destruição. 

6- A policia da memória, Yoko Ogawa

   

  Uma distopia japonesa que nos leva a refletir o que fariamos se as nossas coisas começassem a desaparecer.  Um livro perturbante mas intenso. A protagonista sem nome vive perturbada com o dia em que as palavras possam desaparecer, e ao mesmo tempo tenta ajudar o seu amigo editor. 

5 - The Silvered Serpents, Roshani Chokshi

 

   Este é o segundo livro da triologia The Gilden Wolves, uma narrativa formada de personagens complexas mais repletas de carisma. Séverin, Laila, Enrique, Zofia e Hypnos nos encantam do inicio ao fim. E tudo o que desejamos é que eles consigam o almejado final feliz. O universo da triologia é bastante misterioso construido com base em várias casas e aneis pertencentes a familias de várias nacionalidades. E todos os livros decorrem em países diferentes. O primeiro passa-se em Paris, o segundo em Moscovo e o terceiro em Veneza.

Escolhi o segundo por o enredo deste ter-me cativado mais, nele o grupo tem desvendar vários enigmas que envolvem "fantasmas" e castelos amaldiçoados. Interessou-me muito por narrativas que possuem um ambiente mais gótico.

4- Before the coffee gets cold, Toshikazu Kawaguchi

       

  Este ano tenho me maravilhado descobrindo a simplicidade dos autores japoneses. "Before the coffee gets cold" é um exemplo como uma simples narrativa pode-nos tocar na alma. Correspondem a um conjunto de histórias passadas num café bastante picular, tem o poder de transportar os seus clientes no tempo. Apaixonados, mães e filhas, assim como irmãs reencontram-se para poderem tomarem as suas verdadeiras decisões de vida. São pequenas histórias que nos emocionam, e nos lembram o quanto é importante estarmos ao lado das pessoas que amamos.

3- Um mar sem estrelas, Erin Morgenstern 

 

 Erin Morgenstern está se tornando naquelas escritoras que pretendo seguir todos os seus lançamentos. Os seus mundos são labirintos fascinantes. "O circo dos sonhos" já me fizera sonhar com mundos impossiveis. E este "mar sem estrelas" levou-me numa viagem de histórias perdidas e herois feitos do acaso. Pretencem aquele tipo de livro que não podem ser explicados, apenas recomendado a sua leitura.

2- Open Water, Caleb Azumah Nelson 

   

     Mais um livro recomendado por o mesmo booktuber, o que prova que certos canais de youtube ainda conseguem recomendar bons livros. E eu que não era muito seguidora de livros contemporaneos, deixai-me enredar por este enredo sincero sobre um casal de artistas negros que tentam viver um romance ao mesmo tempo que lidam com a descrimação. O que é interessante neste pequeno romance é o facto de ser narrado na segunda pessoa, nunca tinha lido nenhuma narrativa iniciada na segunda pessoa do singular. Um novo autor que promete ser uma grande promessa na literatura de expressão negra. 

1- Triologia da Cidade de K, Ágota Kristóf

  Que livro poderoso e impactante! Na verdade esta é a edição portuguesa que reune os 3 livros da escritora: O caderno grande, A prova e A mentira. Narrativas que podem ser lidas separadamente, mas que se compreendem ser forem lidas pela ordem de publicação. Retrata a vida de dois gémeos que com a guerra são entregues aos cuidados de uma avó maldosa e que aprendem sozinhos como sobreviver. Um incidente fará com que se separem, e passem a viver vidas separados um de outro e eternamente sentem um vazio que nunca será preenchido. 

 

    Muito provavelmente até ao fim do ano lerarei livros que poderão superar estes. Mas não quis deixar de fornecer alguns possiveis livros que captem a vossa atenção, e vos levem em incriveis viagens ou vos façam pensar sobre as mundanças da nossa sociedade.